Alojamiento, En caso de emergencia, No todo es tan fácil, Sobre Viajar Sola

¿Qué hacer en caso de emergencia en un viaje sola? I : arminículos

*Este artículo, pertenece a una serie de escritos que estaré haciendo, sobre qué hacer/preveer/considerar en caso de emergencia tanto que haya sucedido o que vaya a suceder mientras viajas sola. Soy una convencida que la experiencia en situaciones raritas ha hecho que hoy pueda reaccionar más rápido y si a alguien también le sirve, genial*

Tuve un viaje de trabajo, en el cuál accedí a ir a Mendoza a ver a la banda Lamoladora tocando en la Vendimia, bajo condiciones modestas pero razonables (quedarme en una casa, ir con un presupuesto acotadísimo,tener una invitación convencional, etc), por la promesa de trabajar durante el año en una gira musical por Santiago. Eso implicaba no sólo hacer algo que me gusta mucho, viajar, sino también trabajar en algo en lo que he estado trabajando la última década: música, difusión, gestión, producción.

Sin embargo, las cosas se complicaron y ayer cerca de las 11 de la noche, fue tal mi nivel de incomodidad, que terminé buscando alojamiento de emergencia. Podría ahondar en las razones de mi incomodidad, pero preferiría ahondar en la sensación desde los zapatos de una mujer, que está en otro país, sola, con poca plata ¿Cuántas veces te sentiste incómoda en un lugar y te dieron ganas de salir arrancando? ¿Cuántas veces aguantaste situaciones confusas/violentas/incómodas por simplemente no tenías donde hospedarte? Después de muchas cosas y poniendo en valor mi seguridad y tranquilidad, aguanto menos o casi nada.

Esto-buscar alojamiento de emergencia- no habría sido posible si más de alguna vez  antes, haya estado en situaciones difíciles y eso hace que yo, bajo cualquier circunstancia, tenga alternativas a la mano, para que como esta vez, pueda funcionar incluso en piloto automático. Si tengo donde alojar, igualmente reviso si hay hostales cerca. Si alguien me va a transportar, reviso el camino y todas las opciones de transporte, ya sea caro, barato o a pie. En el fondo porque sé que me gusta tener autonomía y sobre todo porque en los viajes todo se puede revolver, como ahora. Actualmente estoy en la casa de una de las chicas con las que estaré en la actividad de la tarde, donde también hablaré de esta plataforma 🙂

IMG_20190313_105337_719

Mientras tiritaba entera, se me salían las lágrimas y ordenaba mis cosas entre gritos, me acordé que en otras situaciones había reservado por booking, teniendo una tarjeta de crédito a mano ¿Y cómo lo harás Mapapo, si tú no tienes una tarjeta a mano? ¿Cómo lo harás si andas con poca plata y necesitas activar pronto?

Arminículos para la autonomía y la baratura

Hay una serie de pequeñas cosas que pueden ayudarnos a que nuestra estadía en otro lugar y teniendo un presupuesto acotado a paupérrimo, sea óptimo, incluso en situaciones donde tenemos que reaccionar rápido o que sucedan cosas que no teníamos previstas.

  1. Tarjeta de crédito de prepago: En alguna ocasión por ahí había comentado de Finciero, una suerte de tarjeta de crédito virtual de prepago, que permite tener el número mágico que permite hacer transacciones internacionales, pero en un momento se fueron a la quiebra y el saldo se lo comieron. CUECK. Pero ahora me contaron de Mach y lo usé. Bingo, en unos minutos pude reservar y aunque caminé por cerca de una hora hasta el hostal, pude acceder sin problemas.15524957843691214502501.jpg
  2. Trilogía básica de tod@ viajer@ bajo presupuesto: Hay cosas que porto, como por ejemplo: si viajo, tengo 3 cosas. candado ( en los hostales sí hay que tener uno para guardar las cosas de valor) hawaianas y adaptador universal de corriente. Este último lo compré en Medellín, me costó cerca de 8.000 CLP, pero ha sido mi fiel compañero a la hora de cargar mi celular o computador, no importa que tipo de enchufe haya.IMG_20190313_135448.jpg
  3. Para llamar a teléfonos: Hace un tiempo, acostumbraba también cargar crédito en Skype ¿Y para qué si puedo hacer llamadas on line? Porque algunas cosas o servicios, necesito contactarme a un teléfono y no necesariamente ando con chip cargado con saldo. Por eso, cargo en algún momento unos 10 dólares, para poder llamar a teléfonos de cualquier país cuando sea necesario ( igualmente necesito conectarme al wifi).
  4. Multifuncional: Un pañuelo grande, me ha permitido, sobre todo en los viajes lowcost ( donde el peso máximo del bolso de mano no facturado es entre 6-8 kilos) usarlo como toalla, manta, bufanda, turbante, morral, cabestrillo, pareo, peto, etc. Así que eso permite que las opciones y con muy poco peso, pueda resolver varias situaciones.IMG_20190313_135526.jpg
  5. Para la bici: Para otros viajes, también porto candado de bicicleta (debe ser en equipaje facturado sí o sí, ya me han quitado o me han hecho manso problema por equivocarme y echarlo en el bolso de mano), pues para mí los lugares, sobre todo los que no conozco, son mejor tener una bici para recorrerlos. Me da seguridad y autonomía.
  6. Celular shino: Xiao Mi, que tiene doble chip,también me ha permitido tener internet móvil en mis últimos destinos. No es tan bacán ni de una tan buena calidad la fotos o vídeo, pero salió barato en relación a otros de calidad similar y me sirve para eso: tener whatsapp y coordinar cosas. Basta con que llegando a destino compre un chip de prepago, contrate una bolsa/paquete de internet y ¡Voilá!

¿Tienes otras cosas básicas para portar? ¿Algo que te haya servido en caso de emergencia?

 

 

 

Anuncios
Portugues, Sobre Viajar Sola

Viajar Sozinha

123

O ano de 2019 propus viajar de bicicleta. O plano é ir e encontrar a minha bicicleta que deixei no ano passado em Cancún, atravessar um avião com ela para Cuba e atravessar a ilha por pelo menos 3 meses. Uma bela ideia, tão instagrameable que já posso ver as fotos dos ombros com bronzeado fascinante, os locais, as pessoas que eu vou conhecer e até mesmo a música que eu vou ouvir.

4

Eu tenho feito algo como 10 anos, não apenas andando de bicicleta, mais também participando de diferentes organizações, como Bicipaseos Patrimoniales, Pedalea por la calle e hoje Comunidade Viajar sola y Ciclistas Sueltas.

Além disso, é importante participar dos últimos 4 fóruns mundiais de bicicletas nascidas no Brasil, em suas versões em Medellín, Cidade do México, Lima e também na organização do Chile. Também na minha participação com artigos e colunas sobre o uso da bicicleta ou como pedalar em diferentes cidades da América Latina.

5

Mas talvez uma das coisas que mais me ajudou a tomar a decisão de viajar dessa maneira seja o meu treinamento inconsciente, trabalhando no comércio de bikemessenger. Porque não há nenhuma conversa, oficina, fotografia ou coluna na revista percebe mais claramente o que pode chegar hacer bicicleta economicamente, como a criação de empregos que pagam contas, que dão para comer apenas em nome da sua pedalada capacidade. Passei 10 anos e 11 estações, vendendo humitas (comida tradicional chilena, feitos a partir do milho, similar nos tamales) e outros como esses mesmos anos, fazendo de emergência de produção onde eu resolver problemas familiares, passos muito importantes e até mesmo pessoas que não estão na país

6

Há também outro ponto importante: fiquei com viajantes em diferentes circunstâncias, mas talvez minha melhor experiência tenha sido acomodar viajantes em bicicletas a través do Warmshowers. É assim que loquísima pessoas vieram para minha casa, que tinham tomado essa decisão e tinha América do Sul como Caio tour Latintin América Portoalegre, ou Robert, que viajou da Inglaterra para o Alasca, para quebrar sua viagem para Ushuaia.

7

Portanto, minha decisão de viajar de bicicleta não é tão louca ou tão aleatória e a própria ideia de pensar nisso me dá uma enorme felicidade, assim como quando ando de bicicleta, assim como quando conheço uma nova cidade de bicicleta. Mas surge outro questionamento, que por mais manifestações no mundo, apesar de me considerar fortemente feminista e até de dar palestras aos disparos: devo supor que toda vez que viajo, gostaria de ser homem.

8

Um homem grande, forte, com braços grandes. Eu gostaria que ninguém pensasse em me levar para ir, me bater, me tratar mal. Que ninguém questionou minha maneira de se vestir, para onde eu vou, a que horas, até mesmo, que eu não questionaria minha vida sexual ou emocional quando viajasse sozinha. Mas não é assim. E embora,  eu seja uma daquelas pessoas que se importam muito pouco com o que as pessoas pensam do que fazem ou do que não fazem, porém isso acontece. Todo o tempo.

9

Eu também gostaria de poder andar na hora que quiser, onde quiser, com quem eu quiser. Mas não importa o quanto eu tente, não importa o quanto eu esteja empoderada, embora eu já tenha viajado por 7 países e contado, isso não acaba. Mesmo que eu ande de bicicleta, onde quer que eu esteja, sempre há um duplo medo ¿Eu voltarei para casa desta vez?

O ano de 2015, eu cheguei num domingo, da casa da minha mãe, na verdade o dia da mãe de bicicleta, quando eles me atacaram. Tudo é muito confuso e até hoje não sei exatamente o que aconteceu naquela época em que perdi a consciência e perdi o movimento de minhas pernas.

Antes de saber que dados, havia muitas pessoas que perguntaram que horas eram isso? Ela estava sozinha? Provavelmente muitos disseram isso porque eu costumo andar de bicicleta sozinho e à noite. Porque eu trabalhei nos últimos 10 anos em shows e a maneira mais confortável e segura tem sido andar de bicicleta. E sabemos que ser mulher “não deveria ser”.

 

10

Vivemos em um mundo que, para muitas ondas feministas e manifestações como #niunamenos na Argentina ou no Chile, contra a violência de gênero no Peru, mesmo as mulheres não têm acesso total às cidades. Eu tenho olhado em espaços públicos, os botecos no canto e sempre há homens, onde estão as mulheres? Onde as mulheres deveriam estar? Sempre cuidando dos outros ou cuidando dos outros para fazer algo para eles, em vez de aproveitar suas vidas? Se ainda é o conceito em pessoas que as mulheres não devem ir em um determinado momento, eles não devem andar em determinados lugares, não deve viajar sozinho e ainda nem sequer precisa saber certas coisas, como a mecânica de seu carro, imaginar o que mais nós não devemos fazerNós temos o toque de recolher como acontece nas ditaduras.

11

Hoje, as mulheres no Chile estão exigindo que as universidades e faculdades tenham protocolos para denunciar assédio ou abuso sexual e que a educação não seja sexista. Não deveria ser o básico? No entanto, para muitos, esta luta é básica, sem importância “eles estão exagerando”. E estamos pedindo mais ou menos do que os homens. Mais de uma vez conversei com viajantes, que homens viajantes são questionados sobre suas aventuras, os lugares que visitaram. Para as mulheres, por quanto medo elas tinham, que se não tivessem medo de andar sozinhas, que se ninguém se opusesse a tal companhia.

12

13

O ciclismo sempre esteve ligado a causas feministas, porque significava lutar pelos direitos humanos básicos, uma autonomia que é super difícil de entender se você nunca esteve no lugar de uma mulher. Viajar a qualquer momento e em qualquer lugar, sem o terror de ser alcançado. Não precisa de um acompanhante / cuidador / protetor. Lute pelos direitos básicos de qualquer ser humano, como o trânsito livre.

As mulheres parecem ter direitos humanos diferentes, só porque têm uma vagina.

Viajando sozinha, nasceu de querer fazer um blog de viagens primeiro. Mas percebi que a visão e as necessidades de uma mulher que viajam às vezes tem a ver com muitos problemas específicos. Uma mulher em trânsito enfrenta não apenas os perigos particulares e óbvios, mas a primeira pessoa com quem ela tem que enfrentar o medo é consigo mesma, com seus vizinhos, com o resto.

Comunidade Viajar Sola tem como objetivo ser uma comunidade de mulheres que viajam pelo mundo. Mas por que criar uma comunidade de mulheres que só viajam sozinhas? Porque as mulheres sempre procuraram outras mulheres para se acompanharem, quererem se conter, apesar do fato de que a sociedade quer mostrar algo diferente: competição, deslealdade, etc.

15

Buscamos que a comunidade seja um espaço para compartilhar experiências de viagem e colaborar com outros viajantes para tornar sua experiência mais leve, em um espaço sororo e feminismo, onde estamos todos aprendendo a se livrar do machismo. Estamos fazendo diferentes atividades: Conversas, palestras, workshops sobre mecânica básica para mulheres, ciclismo, compartilhamento de dicas, artigos e recomendações nas redes sociais como um grupo privado de fb e instagram, assim como começar a construir um website.

Queremos conetar com as mulheres de todo o mundo, por isso, convidamos as meninas que estão lendo a seguir o  grupo fechado “Comunidad Viajar Sola” en  FB, Viajar_sola en Instagram eo site “viajarsola.cl” resto Y ajudar-nos a este resultado. Um mundo que tem mulheres tomando decisões, sendo uma parte ativa, é um mundo melhor.

17.jpg

***Presentación preparada para ser expuesta en Brasil, junio del 2018.